12 de março de 2010

A primeira máquina você nunca esquece.

E a máquina de costura se fez necessária! Foi em dezembro de 2009 quando ganhei a minha primeira. O presente deveria ser de Natal, mas... digamos que eu não aguentei esperar o Papai Noel passar e ele teve que antecipar sua entrega em 15 dias.
No dia marcado para a máquina chegar, eu mais parecia uma criança angustiada com a demora do pacote. Parece uma coisa, mas a minha entrega foi feita na última hora comercial do dia. A caixa era enorme e minha expectativa de ver a minha "Brother" montada era maior ainda. "Brother", no caso, não se trata da conhecida gíria dos cariocas, mas sim da marca do meu "novo brinquedinho". Não se tratava da "Ferrari" das máquinas de costura, como diz minha tia Fausta ao se referir à máquina dela (rsrsrs...), mas era uma máquina suficientemente equipada para uma principiante, com 60 diferentes tipos de ponto, 6 variedades de patilha, inclusive a patilha para costurar acolchoado, funções para costurar em reverso e colocar zipper, enfim, para mim, "O MUST"! Vejam a minha menina:



Para quem ainda não sabe (E é bem possível que estejam se perguntando no momento...), não, eu não sabia costurar. Mas não sabia MESMO! Nem costurar para frente e em linha reta! O engraçado é que a costura sempre foi presente na minha famíla, pois tanto a minha vó materna como a paterna eram costureiras de mãos cheias. Minha vó materna, quando viva, era costureira profissional. Dava até aula de costura e minha mãe aprendeu a costurar sentadinha ao lado dela enquanto ela ensinava para suas alunas (Era uma espécie de penetra das aulas da minha vó!). Mas eu não! Nunca me interessei por aprender. Meu interesse, infelizmente, era só de pedir que elas fizessem para mim (rsrsrs...). Minha tia Luzia, hoje em dia e lembrando de quando eu era criança, sempre me diz que nunca jamais ela poderia imaginar que um dia eu fosse me interessar por costura. Culpa... minha máxima culpa! Por contas desse meu desinteresse, tive que começar do zero. Mas, cá pra nós, quem tem a ousadia de querer aprender patchwork sozinha, com o auxilio da internet, aprender a usar uma máquina de costura lendo o manual de instrução seria "pinto". Mole! Levei dois dias INTEIRINHOS e SEM DESCANSO para conhecer... vamos dizer... 75% da minha máquina. Achei bom, né?! Até que não me saí tão mal, vocês não acharam também?!
Eu AMO a minha máquina de costura e tenho muito cuidado com ela. Fiz até capinha, combinando com os tecidos do meu ateliê, para protegê-la da poeira e do sol. É, meninas, "quem ama, cuida", já dizia o poeta. E eu a quero comigo por muuuuuito tempo...
No próximo post, falarei sobre meu ateliê.
Bjs e até a próxima postagem!

2 comentários:

Roberta Lopes disse...

Ai amiga,será que um dia vc me ensina ? Seus trabalhos são lindos !

Mari disse...

Oi, Amiga!
Obrigada pelo carinho!!! É muito bom sentir a presença de vcs!!!
Claro que eu te ensino! Não sei muita coisa, mas ficarei feliz de te ensinar o pouco que sei. E vc, talentosa do jeito que é para trabalhos manuais (eu mesma tenho trabalhos LINDOS seus), aprenderá rapidinho e me ensinará depois.
Muitos bjs, amiga!!!!
Sucesso nos seus novos projetos de vida!!!